terça-feira, 22 de setembro de 2015

Epilepsy dance











A dança é uma forma de expressão que liberta o corpo e o faz fluir no espaço enquanto parte, circunstância e contexto.
 Os corpos deixam de ter membros superiores ou inferiores e passam a ser uma massa que se difunde e trespassa o tempo em cima de um palco que  agracie
(toda a dança pede palco e olhos que a vejam)
- foi depois daquele dia que nunca mais te vi; tu a ires connosco dentro da tua mala para sempre




A música, transformadora entra pelos ouvidos até ao sangue
- sempre pensei que cristalizássemos como as frutas de Natal




E torna-se o motor do corpo: dá-lhe a melodia da força que alimenta os músculos,
os pés hirtos de fortaleza,
os tendões como vigas de homem
- hoje tive saudades e lembrei-me que prefiro o Ian Curtis a dançar do que o Mick Jagger



Os músculos das pernas como pedras,
os braços como rochas e as mãos como estradas de ferro que se abrem no ar
sem sabermos onde terminam
- que deixámos de ser nós, deixámos de




A música que se injeta no corpo do bailarino à laia de droga apocalíptica, o tempo a desfazer-se dele e ele a ser chama e eternidade
- um dia houve em que também fomos chama, um dia houve em que fomos eternidade.





Texto CAPAZES - A Carrilho o que é de Carrilho

A ler aqui