Mensagens

A mostrar mensagens de Julho, 2013

Indulgência (I)

Imagem
Eu era um corpo numa cama.


Eu era um corpo numa cama
e debaixo dos cobertores sentia o peso das mãos
e dos pés e o barulho do cabelo a nascer.


Tinha olhos e pestanas
- ou não tinha nem olhos nem pestanas
mas os lábios tocavam um no outro
escondiam as gengivas e às vezes
ficavam escondidos os dentes de cima e os de baixo.

[eu nunca soube do que é que eles se escondiam:nunca perguntei]

Debaixo dos cobertores
descobri que o mundo não era para mim
 e eu sabia
e fechava os olhos a saber.
Também sabia do peso das mãos e dos pés
e do cabelo a nascer.


Debaixo dos cobertores
 logo depois em surdina
vinha a morte. E a morte não comia
nem bebia
nem dormia
nem gostava de cobertores com gente debaixo.
A morte sem gengivas,
e sem lábios
nunca tem medo: sempre traz no seu corpo um cheiro amargo
a caminho e a destruição.



O meu amor vem dos ossos

Imagem
(Eric Lacombe)

O meu amor vem dos ossos;
não tem fidalguia
nem respira o cheiro da prata
 porque o meu amor é impuro.

O meu amor não é dia
porque é tempo; e nele não existem horas,
 nem minutos, nem segundos:
o meu amor é um tempo no mundo que rejeita a música dos ponteiros.




O meu amor cresce para dentro
e a única coisa que  deseja profundamente é o teu corpo
e tudo o que existe depois dele.

O meu amor é um sentido
(como o cheiro ou o tacto)
e nunca será um erro:
ele constitui-se como propriedade privada
sem direito de herança.


O meu amor vem dos ossos
e é tempo
e medo
e flores a crescer dentro da cara:
mas às vezes o meu amor também é noite escura.
E aí, só aí,
sabe fazer ranger todas as pedras do mundo.