sábado, 29 de julho de 2017

Cuspo




Dizem que quando morremos o sol se transforma num enorme espinho de mar sem tecto; porque sem chão e porque sem sitio para sentar já que só a palavra diz a morte.

Dizem que quando morremos deixamos de dizer olá para dizer adeus, e o adeus é um veneno letal no outro; no outro que também morre mas fica mais um pouco.

Dizem por ai que vais atravessar o sol daqui a pouco,  quando o relógio disser Tempo; e quando o relógio disser Tempo nunca mais se faz abraço.

Dizem que um dia quando morreres te vou esquecer como se a memória me falhasse de ti, assim como esquecemos de trazer o esparguete para casa -  mesmo tendo escrito na lista de compras do supermercado a sua falta.

Eles dizem.
Mas eles não sabem nada de nós.

domingo, 18 de junho de 2017

Participação em Festival




Agradecer a todos aqueles que nos últimos dias têm sido incansáveis nas preocupações de saúde que tenho sofrido.

Infelizmente fui desaconselhada a voar para Paris para assistir à exibição do documentário do "Padre das Prisões" no Festival Europeu televisivo de programas religiosos, que ocorreu no passado dia 16, e pôs a marca dos documentários portugueses na edição de um festival televisivo tão significativo.
Em 35 anos, nunca tinha sentido o peso de abdicar de uma realização tão especial nem de me faltarem as forças para concluir um sonho.


Mas dizem que sobreviver a uma desilusão sempre nos torna mais fortes.